Inserção da agenda de Vigilância em Saúde Ambiental do Brasil no Contexto da Saúde Global

  • André Luiz Dutra Fenner Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz)
  • Aletheia de Almeida Machado Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz)
  • Guilherme Augusto Pires Gomes Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz)

Resumo

O artigo parte dos conceitos de saúde global e saúde ambiental no contexto da globalização. Nesse sentido visa discutir questões ambientais globais que envolvem o setor saúde e que originam processos de tomada de decisões domésticos, em especial as relacionadas às coletividades de maiores níveis de vulnerabilidade socioambiental. Utiliza como metodologia levantamento de material sobre os cursos de ações, adotados no âmbito dos regimes internacionais e pelas comunidades epistêmicas relacionados à saúde e ao ambiente; revisão da literatura existente sobre os temas de regimes internacionais e comunidades epistêmicas, relacionados com saúde e ambiente; e coleta de informações e dados, durante observação participante destes pesquisador‑técnicos. Constatou‑se que em relação aos diversos Acordos
Multilaterais Ambientais (AMA), o setor saúde vem desenvolvendo inúmeras atividades para responder às demandas e auxiliar a população a enfrentar esses diversos aspectos que impactam o ambiente e a saúde das populações. Defendemos neste momento, que a área de Saúde Ambiental tenha um setor que possibilite a articulação destas demandas para evitar que os compromissos decorrentes dos AMA possuam um enorme déficit na implementação. Ressalta ‑se a importância da vigilância em saúde de base territorial como estratégia a ser utilizada pela Saúde Ambiente.


 

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Pesquisador em Saúde, Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Gerência Regional de Brasília, Brasília, DF, Brasil.


##submission.authorWithAffiliation##

Pesquisadora Colaboradora, Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Gerência Regional de Brasília, Brasília, DF, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Pesquisador Colaborador, Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Gerência Regional de Brasília, Brasília, DF, Brasil.

 

Referências

1 Tambellini AT, Camara VM. A temática saúde e ambiente no processo de desenvolvimento do campo da saúde coletiva: aspectos históricos, conceituais e metodológicos. Ciência Saúde Coletiva. 1998; 3(2): 47‑59.
2 Krasner SD. Structural causes and regimes consequences: regimes as intervening variables. International Organization. 1982; 36(2): 185‑205.
3 Ruggie JG. International responses to technology. International Organization. 1975; 29: 557‑84. Fenner ALD. Propriété Intellectuelle et Commerce International: une inteprétation politique de l`Accord sur les aspects des droits de propriété intellectuelle qui touchent au commerce (ADIP) [dissertação]. Genebra: Université de Genève, Departement de Science Politique; 2000.
4 Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente – PNUMA. Disponível em: http:www.pops.int. Acesso em: ___ de ___ de 2017.
5 Brasil. Decreto de 26 de junho de 2007 que institui o Grupo de Trabalho Interministerial relativo ao Sistema Globalmente Harmonizado de Classificação e Rotulagem de Produtos Químicos – GHS.
6 Haas PM. Introduciton: epistemic communities and international policy coordination in Knowledge, Power, and International Policy Coordination. Special issue of International Organization. 1992; 46(1): 3.
7 Keohane R. “The Demand for Internacional Regimes”, in International Organization. 1982: 36.
8 Ruggie JG. International responses to technology. International Organization. 1975; 29: 557‑84.
9 Fundo Monetário Internacional. Disponível em: http: www.imf.org. Acesso em: 17 de agosto de 2016.
10 Carson R. Silent Spring, Houghton Mifflin. New York; 1962.
11 ONU. Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. Declaração do Rio. Brasília, Senado Federal; 1996.
12 ONU. Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. Agenda 21. Brasília, Senado Federal; 1996.
13 Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Vigilância em Saúde, Subsídios para Construção da Políticas Nacional de Saúde Ambiental. Brasília: Editora MS; 2007.
14 Organização Mundial da Saúde. Disponível em: hptt: www.who.int. Acesso em 17 de agosto de 2016.
15 WHO. Escritório Regional da Organização Mundial da Saúde. Europa; 2003.
16 Buss P. 8º Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva, Conferência Magna. Rio de Janeiro; outubro de 2006.
17 Molina Z, Trinca D. “Globalização da Economia; verdadeira panaceia universal ou velha ficção para uma nova era?” In.: Santos M. Fim de século e Globalização. São Paulo: Hucitec; 1993.
18 Hobsbawn EJ. A Era dos Extremos. 2.ed. São Paulo: Companhia das Letras; 1995.
19 Panisset U. International Health Statecraft: Foreign Policy and Public health in Peru’s Cholera Epidemic. Washington, DC: University Press of America, INC. 2000: 1‑64.
20 Woodward D, et al. Globalisation and Health: a Framework for Analysis and Action. CMH Working Paper Series. 2001; (10): 4.
Publicado
2018-05-24
Como Citar
FENNER, André Luiz Dutra; MACHADO, Aletheia de Almeida; GOMES, Guilherme Augusto Pires. Inserção da agenda de Vigilância em Saúde Ambiental do Brasil no Contexto da Saúde Global. Comunicação em Ciências da Saúde, [S.l.], v. 28, n. 02, may 2018. ISSN 1980-5101. Disponível em: <http://www.escs.edu.br/revistaccs/index.php/comunicacaoemcienciasdasaude/article/view/204>. Acesso em: 19 apr. 2019.
Seção
Saúde Coletiva