Estratégias de ampliação do diagnóstico da infecção pelo Vírus da Imunodeficiência Humana no Brasil, 2015

  • Regina Aparecida Comparini Ministério da Saúde – Brasil
  • Erica Tatiane da Silva Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) – Brasília‑DF – Brasil
  • Daniella Cristina Rodrigues Pereira Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) – Brasília‑DF – Brasil

Resumo

A Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (Aids) é resultante da infecção pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV), que induz imunodepressão profunda nos pacientes acometidos e consequentemente permite o aparecimento de infecções oportunistas e/ou neoplasias. No Brasil foram registrados 757.042 casos de indivíduos com Aids no período de 1980 até 2014 e com número de óbitos com cerca de 12,5 mil a cada ano. Com o objetivo de diminuir os índices de infecção pelo HIV, foram incorporadas estratégias de acolhimento, diagnóstico e tratamento nas políticas de saúde pública do Brasil. Dentre os principais avanços na vigilância e controle da Aids está a incorporação da investigação da infecção pelo vírus HIV através de exames diagnósticos, como uma das ferramentas para alcançar a meta mundial 90‑90‑90 no ano de 2020. A criação dos Centros de Orientação e Aconselhamento Sorológico, em 1988, foi um marco para o início da ampliação de acesso ao diagnóstico de HIV. Outra conquista foi a evolução dos algoritmos diagnósticos, presentes no Manual Técnico para o diagnóstico da Infecção pelo HIV, contemplando necessidades específicas e garantindo formas de testagem para cada realidade. Os programas e projetos, como o “Viva Melhor Sabendo” e o “A hora é agora”, permitem acessar populações‑chave e expandir o número de pessoas diagnosticadas. Conclui‑se que são crescentes as iniciativas para a ampliação do acesso ao diagnóstico da infecção pelo HIV, estando em consonância com os princípios da equidade, integralidade e universalidade de acesso aos serviços de saúde do Sistema Único de Saúde.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Departamento de DST/Aids e Hepatites Virais (DDAHV) / Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS) – Ministério da Saúde – Brasil

##submission.authorWithAffiliation##

Programa de Evidências para Políticas e Tecnologias de Saúde (PEPTS) / Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) – Brasília‑DF – Brasil

##submission.authorWithAffiliation##

Programa de Evidências para Políticas e Tecnologias de Saúde (PEPTS) / Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) – Brasília‑DF – Brasil

Referências

1. Martins TA, Kerr LRFS, Kendall C, Mota RMS. Cenário Epidemiológico da Infecção pelo HIV e AIDS no Mundo. Revista de Fisioterapia e Saúde Funcional. 2014;3(1):4‑7.
2. Mayo Clinic Staff. Diseases and conditions – HIV/AIDS: Definition. 2015. Disponível em: . Acesso em: 14 nov. 2017.
3. Datasus. Ministério da Saúde. Informações de Saúde (TABNET): Epidemiológicas e Morbidade. 2015. Disponível em: . Acesso em: 23 nov. 2015.
4. WHO. World Health Organization. HIV/AIDS. 2015. Disponível em: Acesso em: 14 nov. 2017.
5. DDAHV: Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Ministério da Saúde. Aids no Brasil. 2015. Disponível em: . Acesso em: 17 de nov. de 2015.
6. Brasil. Boletim Epidemiológico HIV/AIDS. Brasília: Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais, Ano IV, n. 1, 1ª à 26ª semanas epidemiológicas, jan./jun. 2015; 27ª à 53ª semanas epidemiológicas, jul./dez. 2014. 2015.
7. Cohen MS,Chen YQ, McCauley M, Gamble T, Hosseinipour MC, KumarasamyN et al. Prevention of HIV‑1 Infection with Early Antiretroviral Therapy.  New England Journal Of Medicine. 2011,[s.l.], v. 365, n. 6: 493‑505.
8. Brasil. Portaria nº 488/SVS/MS de 18 de junho de 1998. Brasília: Diário Oficial da República Federativa do Brasil. n. 114. 1998.
9. Portaria nº 569/GM/MS de 1 de junho de 2000. Brasília: Diário Oficial da República Federativa do Brasil. n. 110‑E. 2000.
10. Brasil.Portaria nº 59/GM/MS de 28 de janeiro de 2003. Brasília: Diário Oficial da República Federativa do Brasil. n. 22. 2003.
11. Brasil.Portaria nº 34/SVS/MS de 28 de julho de 2005. Brasília: Diário Oficial da República Federativa do Brasil. n. 145. 2005.
12. Brasil. Portaria nº 151/GM/MS de 14 de outubro de 2009. Brasília: Diário Oficial da República Federativa do Brasil. n. 198. 2009.
13. Brasil. Portaria nº 77/GM/MS de 12 de janeiro de 2012. Brasília: Diário Oficial da República Federativa do Brasil. 2012.
14. Brasil. Portaria nº 29/SVS/MS de 17 de dezembro de 2013. Brasília: Diário Oficial da República Federativa do Brasil. n. 245. 2013.
15. Brasil. Resolução da Diretoria Colegiada – RDC nº 52/MS/Anvisa,de 27 de novembro de 2015. Brasília: Diário Oficial da República Federativa do Brasil. n. 228. 2015.
16. Ferreira Jr OC, MottaLR. Três décadas de diagnóstico de HIV: a experiência brasileira. In: Brasil. Ministério da Saúde. Histórias de luta contra a Aids. Brasília: Ministério da Saúde. 2015:258‑275.
17. Villarinho MV, Padilha MI,Berardinelli LMM,Borenstein MS,Meirelles BHS, Andrade SR. Políticas públicas de saúde face à epidemia da AIDS e a assistência às pessoas com a doença. Revista Brasileira de Enfermagem, [s.l.] 2013; 66(2):271‑277.
18. Mocroft A, Lundgren JD, Sabin ML, Monforte AA, Brockmeyer N, Casabona J et al. Risk factors and outcomes for late presentation for HIV‑positive persons in Europe: results from the Collaboration of Observational HIV Epidemiological Research Europe Study (COHERE).PLoS Med. V.10,n.9:e1001510. 2013. doi: 0.1371/journal.pmed.1001510.
19. Brasil. Ministério da Saúde. Orientações para implantação dos testes rápidos de HIV e sífilis na Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2012. 18 p.
Publicado
2018-05-24
Como Citar
COMPARINI, Regina Aparecida; DA SILVA, Erica Tatiane; PEREIRA, Daniella Cristina Rodrigues. Estratégias de ampliação do diagnóstico da infecção pelo Vírus da Imunodeficiência Humana no Brasil, 2015. Comunicação em Ciências da Saúde, [S.l.], v. 28, n. 02, may 2018. ISSN 1980-5101. Disponível em: <http://www.escs.edu.br/revistaccs/index.php/comunicacaoemcienciasdasaude/article/view/210>. Acesso em: 19 apr. 2019.
Seção
Saúde Coletiva