Reflexões sobre o uso de material para educação entre pares no Programa Saúde na Escola

  • Luciana Sepúlveda Koptcke Fundação Oswaldo Cruz – FIOCRUZ
  • Maria Regina Araújo de Vasconcelos Padrão Fundação Oswaldo Cruz – FIOCRUZ
  • Fernando Gomes da Rocha Fundação Oswaldo Cruz – FIOCRUZ
  • Izabela Caixeta Secretaria de Educação – SEEDF
  • Carla Dalbosco Hospital de Clínicas de Porto Alegre ‑ HCPA/UFRGS

Resumo

Objetivos: Compreender fatores que interferem no uso do recurso educacional “Guia de Adolescentes e Jovens para a Educação entre Pares” e verificar a contribuição do material à promoção da participação juvenil na educação em saúde dentro da escola.
Método: Pesquisa‑ ação realizada em 10 escolas públicas de cinco capitais Representantes das diferentes regiões do país: Brasília, Porto Alegre, Rio de Janeiro, Manaus e Recife. Foram conduzidas 99 oficinas junto a 280 jovens nas 10 escolas. ovens selecionados em cada escola participante foram previamente formados para utilizar o material sendo responsáveis pelas oficinas, discussão e sistematização das experiências de uso.
Resultados: Constatou‑se: dificuldade de interpretação dos textos, divergência entre o tempo previsto para a realização das atividades e o disponível na escola; a importância de uma formação inicial para os jovens. As oficinas ocorreram em espaços e tempos não formais dentro da escola. Sugeridos novos temas. Pontos fortes: indicação de recursos, proposta de oficinas e atividades. A roda de conversa foi a estratégia melhor aceita. O fator de diálogo entre pares foi positivo na dinâmica da educação em saúde na escola.


Conclusão: O Guia constituiu um dispositivo para a reflexão e diálogo entre os jovens capaz de fortalecer a educação entre pares no espaço escolar. Identificou ‑se limites do uso auto instrucional do material. Seu uso é sensível às relações de poder que perpassam o espaço físico e simbólico da escola.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Fundação Oswaldo Cruz – FIOCRUZ

##submission.authorWithAffiliation##

Fundação Oswaldo Cruz – FIOCRUZ

##submission.authorWithAffiliation##

Fundação Oswaldo Cruz – FIOCRUZ

##submission.authorWithAffiliation##

Secretaria de Educação – SEEDF

##submission.authorWithAffiliation##

Hospital de Clínicas de Porto Alegre ‑ HCPA/UFRGS

Referências

1. Horta CN, Sena RR. Abordagem ao adolescente e ao jovem nas políticas públicas de saúde no Brasil: um estudo de revisão. Phy Rev Saú Col [revista em internet]. 2010 [acesso em 2012 nov]; 20 (2): 475‑495. Disponível em http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=400838227008.
2. Novaes R. Palestra proferida durante Primeiro encontro temático Saúde, racismo e gênero: Mulheres jovens presentes. No prelo 2017.
3. Monteiro S, Vargas E, Cruz M. Desenvolvimento e Uso de Tecnologias Educacionais no Contexto da Aids e da Saúde Reprodutiva: reflexões e perspectivas.
In: Monteiro S, Vargas E. Educação, comunicação e tecnologia educacional: interfaces com a saúde. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2006. P. 27‑47.
4. Ministério da Saúde (BR). Guia Adolescentes e jovens para a educação entre pares. Brasília: Ministério da Saúde; 2010.
5. Citele MT. Prefácio. In: Monteiro S, Vargas E. Educação, comunicação e tecnologia educacional: interfaces com a saúde. Rio de Janeiro: Fiocruz;
2006. P. 9‑17.
6. Fundação Oswaldo Cruz (BR). Participação e dinamização juvenil no PSE: Projeto de Implementação e Acompanhamento das estratégias para educação
entre pares do componente 02. No prelo 2015.
7. Lindsey BJ. Peer education: A viewpoint and critique. Jou Amer Coll Heath. 1997; 45(4): 187‑189.
8. Frankham J. Peer education: The unauthorized version. Brit Educ Research Jour. 1998; 24 (2): 179‑193.
9. Price N, Knibbs S. How effective is Peer Education in Addressing Young People’s Sexual and Reproductive Health Needs in Developing Countries?. Chil & Society. 2009; 23: 291‑302.
10. Dayrell JA. Escola como espaço sócio‑cultural. In: Dayrell JA. Múltiplos Olhares sobre educação e Cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG; 2001. P. 136‑161.
11. Koptcke LS, Caixeta IA, Rocha FG. Juventude pela Saúde: experiência de protagonismo juvenil para a promoção da saúde em espaços escolares no âmbito do Programa Saúde na Escola. In: Duqueviz BC, Santos LM, Fazzioni NH. Diálogos sobre saúde e protagonismo Infanto‑Juvenil: ações e desafios para a Fiocruz. Rio de Janeiro: Filhos do Vento; 2014. P. 29‑47.
12. Ministério da Saúde (BR). Boletim Epidemiológico HIV‑AIDS. Ano 5 (01). Brasília: Ministério da Saúde; 2016.
13. Knauth DR, Gonçalves H. Juventude na era da Aids: entre o prazer e o risco. In: Almeida MIM, Eugênio F. Culturas jovens: novos mapas do afeto. Rio de Janeiro: Jorge Zahar; 2006. P. 92‑104.
14. Ayres JRC. Práticas educativas e prevenção de HIV/Aids: lições aprendidas e desafios atuais. Inter Augusto de 2002: 6 (11): 11‑24.
15. Calazans G, Kiss L, Cappellini S, Sequeira D, Vieira RM, França JI. Plantões jovens: acolhimento e cuidado por meio da educação entre pares para adolescentes e jovens nos Centros de Testagem e Aconselhamento ‑ CTA. Saú e Soc [Internet]. 2006  [acesso em 2010 out]; 15 (01): 22‑36. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/sausoc/
v15n1/04.pdf.
Publicado
2018-05-24
Como Citar
KOPTCKE, Luciana Sepúlveda et al. Reflexões sobre o uso de material para educação entre pares no Programa Saúde na Escola. Comunicação em Ciências da Saúde, [S.l.], v. 28, n. 02, may 2018. ISSN 1980-5101. Disponível em: <http://www.escs.edu.br/revistaccs/index.php/comunicacaoemcienciasdasaude/article/view/219>. Acesso em: 19 apr. 2019.
Seção
Educação