Co-criando métodos colaborativos para construção de ambientes sociais mais autônomos e horizontais

  • Tatiana Oliveira Novais Fundação Oswaldo Cruz Brasília, Brasília, Brasil
  • Everardo de Aguiar Lopes Educador social, Brasília, Brasil
  • Marcelo Souza de Jesus Fundação Oswaldo Cruz Brasília, Brasília, Brasil
  • Waldir Campelo da Silva Fundação Oswaldo Cruz Brasília, Brasília, Brasil
  • Ludymilla Anderson Santiago Carlos Secretaria de Estado de Trabalho, Desenvolvimento Social, Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos do Distrito Federal, Brasília, Brasil

Resumo

Introdução: As Rede Sociais podem ser entendidas como um conjunto de participantes autônomos, reunidos por ideias, recursos, valores e interesses compartilhados. No Distrito Federal, existem mais de 19 Redes Sociais Locais, que abrangem a maioria das localidades do Distrito Federal. Em 2013, ocorreu o I Encontro de Redes Sociais, e em 2017, o segundo encontro, ambos na Fundação Oswaldo Cruz de Brasília, em colaboração com diversos atores sociais do território.
Objetivo: Apresentar o processo de co‑criação metodológica do II Encontro de Redes Sociais Locais para a produção de ambientes socais mais autônomos e horizontais.
Metodologia: Foi adotada abordagem qualitativa, com a junção das metodologias de pesquisa‑ação e pesquisa participante.
Resultados: Para a interação com as redes e co‑criação deste processo metodológico, podemos destacar algumas ações, entre elas: participação nas reuniões das redes sociais locais; formação de um coletivo gestor do processo; plano de comunicação; mapa de interesses; circuito de oficinas; co‑criação do momento do II Encontro de Redes Sociais Locais; momento do Encontro de Redes Sociais Locais.
Considerações finais: esta construção mostra uma multiplicidade de possibilidades de organização e rearranjos territoriais locais, em contraponto a hierarquização e setorização das políticas públicas. Para a construção coletiva de métodos colaborativos, mais autônomos e horizontais é necessário tempo, compromisso, disponibilidade e engajamento. As instituições participantes mudaram a postura de intervenção para outra de interação e co‑criação, como forma de não institucionalizar o processo.

Publicado
2018-06-26
Como Citar
NOVAIS, Tatiana Oliveira et al. Co-criando métodos colaborativos para construção de ambientes sociais mais autônomos e horizontais. Comunicação em Ciências da Saúde, [S.l.], v. 28, n. 02, p. 188-197, june 2018. ISSN 1980-5101. Disponível em: <http://www.escs.edu.br/revistaccs/index.php/comunicacaoemcienciasdasaude/article/view/228>. Acesso em: 24 june 2019.
Seção
Saúde Coletiva